Diário de Viagem - 071/119 - 14/11/2006      Leon


 -x-x-x-x-x- . Começamos o dia em Valladolid com 3 graus de temperatura e totalmente encoberto por uma nevoa que não deixava visualizar nada além de 50 metros.
Deixamos o Hotel Kris Park as 9:15 em direção a Estação de Autobus (distância 100 metros).
Nosso coche (onibus) deveria sair as 9:45 entretanto como o mesmo vinha de Madri chegou com um atraso de 20 minutos.
Temos observado que a permanência dos ônibus no local de embarque e desembarque de passageiros é bastante rápida, existe uma agilidade bastante diferente daquelas que estamos acostumados a ver no Brasil, temos que considerar que o movimento nas rodoviárias é menor, bastante reduzido em relação ao movimento das nossas rodoviárias.
Nossa viagem entre Valladolid e Leon num percurso de 132 km, levou 2:30 e foi realizada praticamente toda ela sob uma espessa neblina que permitia uma visão de 50 a 60 metros.
Chegamos a Leon as 12:30, aqui também estava bastante frio e encoberto por nevoa. Nos hospedamos no Hotel Temple Riosol (3 estrelas) situado a 300 m da Estação, em plena Av. de Palencia, próximo a ponte que da acesso ao centro da cidade.
Leon >foi fundada sobre o que foi um acampamento militar romano da Legião VII "Gemina" na Espanha, a margem do rio Bernesga, Leon é um enclave milenario por onde passaram os invasores bárbaros e muçulmanos e por aqui surgiu a monarquia e os clãs nobiliários do noroeste espanhol a partir do século X.
Na atualidade é uma tranqüila cidade, traçada sob medida para a comodidade dos seus habitantes e visitantes, esta perfeitamente ligada por carreteiras e autopistas com qualquer centro da península.
A Catedral Gótica conhecida pela beleza de seus vitrais e pelo equilíbrio de suas alturas é conhecida pelo apelido latino de "Pulchra Leonina", abre sua porta a uma encantadora visita pelo centro medieval.
Circulamos pela área antiga da cidade e por volta das 14:30 fomos almoçar no Restaurante Dois de Maio.
Entrada macarrão com molho de tomaté, prato principal polo com fritas e bisteca com fritas, pão, e um bom vinho tinto.
Após o almoço voltamos a circular pela área central e visitamos a Igreja de San Isidoro que faz parte da Real Colegiata, magnífico monumento de estilo românico primitivo, nesta Igreja encontra-se em exposição permanente o Santíssimo Sacramento.  Nosso roteiro, Cidades pelas quais já passamos e iremos passar... O Museu guarda uma coleção de antiqüíssimos manuscritos.
No fundo do museu esta o panteão dos reis de Leon com cúpulas decoradas a base de pinturas do século XII.
Na seqüência passamos num Locutório, para enviar e-mail a nossos familiares (depois comprei uma blusa porque está congelando, por um lapso deixei de usar o agasalho correto para a temperatura de hoje - Rosa Maria).
Fomos visitar a Catedral - não pode fotografar - circulamos internamente, trata-se de uma obra majestosa com nada menos que 1.754 metros quadrados de vidreiras de origem medieval que dão passagem a luz por entre os altos muros deste templo construído entre os séculos XIII e XIV.
É uma autentica jóia espanhola do gótico clássico, com pórtico central enquadrado entre duas esbeltas torres de agulha e uma extraordinária roseta (vitrais redondos) na parte frontal.
Em várias ruas por onde passamos vimos partes das muralhas que cercavam a cidade, inclusive os restos fronteiriços à torre de San Isidoro que corresponde tanto a fortificação romana como a medieval.
O lindo visual da estrutura criada por um gênio atrai a atenção de todos aqueles que por ali passam, Casa de Botines, conjunto arquitetônico singular devido ao talento do arquiteto Gaudi, com fachadas em quatro lados e torres em cada angulo, enquanto o tempo passa e as pessoas admiram essa maravilhosa obra, Gaudi continua analisando suas anotações sentado no banco em frente a Casa de Botines (Estátua de Gaudi).


Click nas fotos para ampliar.

Mendes  @   Rosa Maria

Voltar para Fotos     Proximo Diário     Home